A vadiagem da mulher brasileira.

Posted: June 29, 2014 in Ideologia, Misoginia e misandria, Movimento Vitimista, Uncategorized
Tags: , , , ,

Uma coisa tem chamado a atenção nas reportagens e artigos sobre a festa da Copa. Mais especificamente, sobre a festa das brasileiras na Copa. Uma festa de contradições. Essa festa meio que começou durante aquela hilária revolta contra a Adidas e a sexualização das brasileiras para o exterior.

“Brasileira não é mercadoria sexual” era o mote das vitimistas. Até os afrocoitadistas tiraram uma casquinha da situação para aparecer, usando as mulatas como desculpa. Simultaneamente, tínhamos curso de línguas estrangeiras para prostitutas, e um governo muitíssimo interessado em legalizar a prostituição, para o bem das moças, é claro. Nada a ver com o fato de que, apesar de não ser um modelo de moralidade e dignidade, prostitutas conseguem fazer uma boa quantia de dinheiro – isenta de impostos.

Claro, aqui as feministas podem fugir da acusação de hipocrisia por condenarem a objetificação de um lado enquanto apoiam do outro, com a desculpa de que o feminismo é um movimento heterogêneo, e, portanto contém grupos que defendem situações diametralmente opostas. Como por exemplo, as feministas anti-objetificação descendo a lenha na suposta campanha de sexualização da Adidas (da qual essas mulheres tecnicamente não levam um centavo), enquanto as feministas sexopositivas são todas alegria atrás do governo e a luta pela dignidade das prostitutas – e a subsequente taxação do novo nicho trabalhista regularizado, o que significa mais dinheiro público para o nosso honestíssimo governo, e claro, uma parcela da bolada para organizações feministas, seja na forma de doação ou cabide de emprego, pelo excelente serviço prestado. Que modelo de altruísmo e preocupação com o bem estar das mulheres…

O último capítulo dessa novela foi a crucificação do Luciano Huck, enquanto as gaúchas rodavam na praça com os gringos.

A coisa toda poderia ser resumida em “vamos meter o pau no Huck por sugerir aquilo que as mulheres já estão fazendo de qualquer modo, e fazem questão de exibir como se fosse motivo de orgulho”.

E no meio do tiroteio, os cegos…

Eu tenho visto muitos caras revoltados e reclamando pelos cotovelos com toda essa situação. Mas por que ficar revoltado com os negócios de costume? Mulheres fazendo vitimismo para atenuar a fama de vagabunda, e claro, exigindo tratamento de dama da sociedade. E aqui é onde esses homens erram. A situação é mais do mesmo: exigências para o cara comum, buceta para o destacado. Apenas que nesse caso, o ‘destacado’ são os gringos. Esse é um direito que elas têm, e reclamar disso é realmente recalque. Na verdade, a situação toda se torna muito cômoda para as feministas. As mulheres deslumbradas engajadas em promiscuidade casual, enquanto elas escrevem artigos e mais artigos debochando dos homens brasileiros e cuspindo nos acordos de decoro moral vigentes.

 Imponha o Do ut Des (ou Lex Talionis, que é mais divertido)

O erro dos homens é se engajarem em falação inútil com as mulheres.  Principalmente no que tange a regular o comportamento delas. Ninguém perde a vida inteira tentando convencer um mentiroso notório de que ele está agindo errado. Simplesmente pára-se de acreditar nele, e que se foda. Ele que arque com os prejuízos da conduta dele, e enfie as reclamações no rabo. As pessoas que falham em fazer isso, passam a vida inteira levando golpes, amargando prejuízos, e ainda sendo ridicularizadas pelos enganadores. Ao invés de bonzinhos, estão sendo otários.

No fim, as marias-gringo só têm a ficar felizes. Se esfregam nos destacados, e ainda tem um exército de betas chorões para esnobarem. Se uma mulher quer agir como vagabunda, o direito é dela. A obrigação de educar é dos pais dela, e se eles falharam em fazê-lo, ou ela resolveu rejeitar a educação recebida, o problema é dela. Se você perde seu tempo chamando vagabundas de puta, e criticando o comportamento delas, você está sendo burro e otário; tá bancando o capitão salva-putas. Ou você usa os serviços das putas, ou você despreza a elas, e procura mulheres de melhor nível.

O que os homens podem fazer, e é seu direito, é tratar as promíscuas como mulheres sexualmente banais – o tipo de mulher que se fizer cu doce ou exigir compromisso, romantismo, ou tratamento de dama da sociedade, você vira as costas e procura outra. Rir da cara delas é opcional. E se o homem em questão não for do tipo que pega vagabunda por questão de princípios, o tratamento é desprezo e abandono. E se elas não gostarem, podem meter o dedo no cu e rasgar, porque elas não têm direito de (ou moral para) cobrar nada dos homens, ou regular sua conduta – exatamente porque elas não aceitam que isso seja feito com elas. E o pau que dá em Chico, dá em Francisco também. Se no mundinho delas, respeito não vem por mérito, o problema é delas, não dos homens. Não importa como elas acham que devem ser tratadas, o negócio é tratar elas como elas merecem.

E já cobrindo o erro subsequente a esse curso de ação, que se dá quando elas começarem a choramingar, e os posts feministas começarem a pipocar – e isso vai acontecer: Exigir dos destacados implica em rejeição. Se os caras comuns rejeitam as exigências delas e dão o desprezo, elas ficam reduzidas a oferecerem sexo pros destacados em troca de status social insignificante, o que evidencia elas como vagabundas.

Então isso aqui é importante: nada de perder tempo dando explicações, satisfação ou se defendendo. A base do feminismo é o vitimismo, a chantagem emocional e o escândalo. Se você debochar e desprezar disso, elas se tornam invisíveis. Mulheres atirando acusações são tão ameaçadoras quanto um peido. Você sai de perto pra evitar o mau cheiro, e o problema desaparece.

 … mas evite o Quid Pro Quo.

Um outro efeito evidente da litania feminista, é provocar revolta nos homens. Isso é proposital. Nós temos programações biológicas que nos impelem a cuidar das mulheres (embora nos dias atuais elas façam cada vez mais por desmerecer isso), e a rejeição e deboches constantes constituem tortura mental. E isso é um excelente gerador de misoginia, que se torna combustível para justificar a continuidade do feminismo, já que os homens passam a fornecer provas contra eles mesmos, ao erroneamente totalizar e hostilizar as mulheres. Mas se observarmos bem, pode-se notar páginas de facebook, blogs, e comentários pessoais de mulheres revoltadas com a conduta das vagabas, porque elas tem consciência de que a fama internacional de prostituta que a mulher brasileira tem (e seus efeitos), se estende a elas também.  Seria uma tremenda injustiça jogar essas mulheres no mesmo balaio que as vagabas, e ofendê-las e destratá-las também. Aqui cabe ao homem ser homem, e estar alerta para não deixar as emoções nublarem os seus julgamentos de valor. Deixar de observar esta regra é dar ao feminismo uma de suas principais ferramentas de recrutamento. Uma boa opção é reservar a validação social para essas mulheres, caso sejam merecedoras. O Bônus é deixar as feministas e as rampeiras ainda mais putas (trocadilho intencional).


Comentário ¹: Claro, tem caras cuja imbecilidade ou manginismo é incurável, e as vagabas e feministas sempre terão tais capachos para defenestrar. Mas o que conta é não ser um deles.

“Se o homem faz de si mesmo um verme, ele não deve se queixar quando é pisado.”
Immanuel Kant

Comentário²: As primas estão faturando alto. Jeanus uillis e a corj… er, quer dizer, aquele grupo de nobres parlamentares devem estar se lamentando por esta afronta à dignidade da mulher brasileira… E os rios de  dinheiro isentos de impostos.

Advertisements
Comments
  1. Rocha Neto says:

    Não tiro da minha mente que o sofrimento masculino (e do ser humano em algumas vertentes) é justamente esse, querer ter o controle sobre as mulheres. A maior parte do sofrimento e do “recalque” vem daí.

  2. Rocha Neto says:

    Cara, quem é você? Simplesmente um dos textos mais recionais e calculistas de todos os tempos desde que adentrei à esse mundo salgado da REAL! . Perfeito! Muito sensato e esclarecedor.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s